Sessões Flexíveis no Tratamento ABA: Uma Luta Pela Justiça para Crianças Autistas

sessoes-flexiveis

Índice

Introdução:

Sessões flexíveis de terapia ABA emergem como um direito crucial para crianças autistas, desafiando a rigidez e as limitações frequentemente impostas pelos planos de saúde. Essas terapias especializadas são vitais para o desenvolvimento de habilidades sociais, cognitivas e de comunicação, fundamentais no acompanhamento do autismo. Contudo, enfrentamos uma barreira significativa: a inflexibilidade no agendamento e na quantidade de sessões disponibilizadas por parte das operadoras de planos de saúde, além da negligência dos planos de saúde quanto ao seguimento dos laudos médicos. Este texto busca explorar o suporte legal disponível às famílias na busca por um tratamento equitativo e adaptado às necessidades de suas crianças.

A Importância do Tratamento ABA

O tratamento ABA é baseado em evidências e tem sido amplamente reconhecido por sua eficácia no tratamento de indivíduos com autismo. A personalização do tratamento, que inclui a flexibilidade na frequência e no número de sessões, é crucial para o progresso da criança. No entanto, muitos planos de saúde estabelecem limites arbitrários que não correspondem às necessidades individuais dos beneficiários.

Desafio dos Limites de Sessões e da Flexibilidade de Horários

Famílias por todo o Brasil enfrentam uma luta constante quando se trata de assegurar um tratamento adequado para suas crianças com autismo, especialmente em relação ao acesso ao tratamento ABA (Análise do Comportamento Aplicada). Os planos de saúde, com suas políticas rígidas, impõem limitações severas no número de sessões permitidas, muitas vezes desconsiderando completamente as recomendações personalizadas feitas por profissionais de saúde dedicados a acompanhar o desenvolvimento das crianças. Essas limitações são baseadas em critérios genéricos e desatualizados, que não levam em conta a individualidade e as necessidades específicas de cada criança autista.

Além da questão do número de sessões, a inflexibilidade dos horários oferecidos para as terapias se torna outro obstáculo significativo. Muitas famílias se veem em uma verdadeira corrida contra o tempo, tentando encaixar as sessões de tratamento ABA na agenda diária já repleta de outras obrigações, sejam elas educacionais, profissionais ou familiares. Essa rigidez horária não apenas dificulta a logística familiar, mas também pode prejudicar a eficácia do tratamento, uma vez que a regularidade e a adaptação do horário às necessidades da criança são fundamentais para o sucesso terapêutico.

A Obediência ao Laudo Médico Quanto a Sessões Flexíveis

Os laudos médicos são documentos fundamentais que atestam a necessidade de tratamentos específicos, incluindo o número de sessões e a periodicidade recomendada para o tratamento ABA. No entanto, há uma preocupante tendência dos planos de saúde em negligenciar ou questionar essas recomendações médicas, negando o direito a sessões flexíveis e colocando em risco o bem-estar e o desenvolvimento das crianças autistas.

Fundamentações Jurídicas em Defesa dos Direitos das Crianças Autistas

  1. Lei Federal nº 12.764/2012 (Lei Berenice Piana): Esta lei estabelece a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, garantindo o acesso a serviços de saúde, incluindo terapias necessárias como o ABA, sem limitações discriminatórias, com especial destaque ao art. 3º, b.
  2. Constituição Federal: A Constituição garante, em seu art. 196, o direito à saúde como um direito fundamental, obrigando o Estado a fornecer condições indispensáveis ao seu pleno exercício. Isso inclui a obrigatoriedade dos planos de saúde em oferecer cobertura para tratamentos essenciais para o desenvolvimento das crianças com autismo.
  3. Súmulas e Resoluções da ANS: A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) possui súmulas e resoluções que regulamentam a obrigatoriedade dos planos de saúde em cobrir tratamentos como o ABA, respeitando as indicações médicas sem imposição de limites abusivos, bem como sessões flexíveis.

Conclusão

A batalha por tratamentos justos e sessões flexíveis para crianças autistas é uma questão de direitos humanos e dignidade. As famílias, armadas com o conhecimento das leis e resoluções pertinentes, têm o poder de exigir dos planos de saúde a observância dos laudos médicos e a adequação das terapias às necessidades individuais de cada criança. É fundamental que os defensores dos direitos das crianças autistas continuem a lutar por políticas mais inclusivas e justas, garantindo que todas as crianças tenham a oportunidade de alcançar seu potencial máximo.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Acesse nossas redes sociais!

Copyright © 2022 Licínio & Rodrigues Advogados Associados. Todos os direitos reservados